10 setembro 2017

Jigsaw Falling Into Place

Just as you take my hand
Just as you write my number down
Just as the drinks arrive
Just as they play your favourite song
As the magic disappears
No longer wound up like a spring
Before you've had too much
Come back and focus again

The walls abandon shape
You've got a cheshire cat grin
All blurring into one
This place is on a mission
Before the night owl
Before the animal noises
Closed circuit cameras
Before you're comatose

Before you run away from me
Before you're lost between the notes
The beat goes round and round
The beat goes round and round
I never really got there
I just pretended that I had

What's the point of instruments
Words are a sawed off shotgun

Come on and let it out

Before you run away from me
Before you're lost between the notes
Just as you take the mic
Just as you dance, dance, dance

Jigsaws falling into place
There is nothing to explain
Regard each other as you pass
She looks back, you look back
Not just once
Not just twice
Wish away the nightmare
Wish away the nightmare
You've got a light you can feel it on your back
You've got a light you can feel it on your back
Jigsaws falling into place

17 julho 2017

Doctor Strange (2016)

Benedict Cumberbatch é Doctor Strange um brilhante neurocirurgião de ego inchado que de um dia para o outro vê a sua vida completamente alterada. O que pode um neurocirurgião fazer sem mãos?

Numa tentativa desesperada de recuperar o que perdeu, embarca numa viagem para o oriente onde uma promessa de cura lhe parece demasiado difícil e fantasiosa.

Para quem só vê e só acredita em matéria, imaginar dimensões astrais, poder do espírito, magia, fé... um multiuniverso, vida eterna... enfim todo o irracional personificado na "Ser Anciã" a magnífica Tilda Swinton.

Uma metáfora para aprender para além do imediato. Afinal, tudo muda num segundo e quando se parte, poderemos não regressar. Não nos cabe a nós fazer planos.

Confiemos.

09 julho 2017

The Light Between Oceans (2016)

Gosto de ver filmes que me acrescentem algo: seja conhecimento (históricos, biográficos), seja imaginação ou "leveza". Gosto particularmente dos que me emocionam, dos que me fazem sentir uma dor no peito ou uma alegria dançante. Gosto de lições, de ensinamentos que me fazem esquecer o dia a dia mas me fazem pensar sobre o que sou e gostaria de ser, onde estou e onde gostaria de estar.

The Light Between Oceans é um destes filmes. Tom (Fassbender) veterano de guerra sente a sua vida acabada e propõe-se ocupar o lugar de faroleiro na ilha de Janus. Uma posição que obriga ao isolamento, a viver sozinho de e para uma luz que encaminha barcos na imensidão do oceano. Passa os dias em tarefas de reparação, limpeza, manutenção do farol, de uma casa e em tarefas agrícolas numa pequena horta. Vigia o infinito oceano, não porque espera a chegada de reabastecimento ou visitas, mas para uma simples ocupação do olhar, da mente, do tempo.

[Quantas vezes me imagino numa situação idêntica: vácuo na mente, o barulhar do mar, o vento forte na fronte e o por do sol. Sem sentir a angústia da obrigação, os deveres rancorosos a imporem-se ao tempo, sem a escuridão de não saber o que dizer]

Tom sentia que depois das mortes e do sofrimento da guerra, não merecia mais vida, mas os planos de Deus são insondáveis. Ao regressar momentaneamente à vila para abastecimento conhece melhor Isabel (Vikander) com quem começa a corresponder-se e por quem se apaixona. Casam e Isabel vai para a ilha viver com Tom. Feliz com Tom, mas infeliz na maternidade, Isabel sofre dois abortos espontâneos numa fase avançada da gravidez.

Ainda mal enterrado o segundo filho, Tom avista um barco naufragado a aproximar-se da margem e chama Isabel. Ao chegarem junto ao bote encontram um homem morto e um bebé a chorar copiosamente. Isabel apronta-se a cuidar da menina e pede a Tom que a assumam como a criança que deveriam ter tido e perderam. Relutante, Tom acede à súplica da mulher guardando o remorso no peito.

Numa visita à vila, Tom vê Hannah no cemitério em pranto e um amigo conta-lhe a história da viúva, que Tom reconhece como sendo a mãe da bebé que salvou. Tolhido pela culpa envia-lhe uma carta dizendo que o marido teve sepultura digna e que a filha está bem e amada. Passados dois anos, Tom volta a escrever a Hannah dando-lhe pistas suficientes para que a polícia descubra o paradeiro da menina e o prenda.

As pessoas são responsáveis pelas suas acções e ao quebrar as regras muitas são as consequências, pessoais e para terceiros. Tom não pode viver com a culpa e a mentira, mas também não conseguiu negar à mulher, devastada pela perda, a graça de poder ter uma criança, mesmo não sendo sua. Tom assume todas as responsabilidades, ilibando a mulher... e esta mente não o conseguindo perdoar referindo que Frank ainda estava vivo quando o encontraram.

Isabel acusa o marido e Hannah de não pensarem no melhor para Lucy e a criança sofre por ter de viver com Hannah que não reconhece como mãe. É então que Hannah procura Isabel e lhe oferece a filha a troco do testemunho dela contra o marido.

Será o amor de Isabel pelo marido maior que o seu amor por Lucy? Será a vontade de ficar com a menina maior que a verdade? Lucy era tudo o que Isabel queria, a sua filha, a sua razão de viver? Mas Tom sempre fora um bom marido e estava a assumir responsabilidades que não eram totalmente suas, arriscando-se a morrer pelo amor a Isabel.

Amor
Culpa
Verdade
Perdão
Clemência

The Light Between Oceans é tudo isso. Lições consecutivas sobre as consequências dos nossos actos. Mesmo quando pensamos que estamos a fazer o correcto, nunca sabemos quais são as consequências do que fazemos. Devemos contudo estar preparados para as assumir, mesmo que esse assumir implique grandes sofrimentos, perdas... porque do assumir emerge a Verdade, da verdade a Clemência e no meio disto tudo estará sempre, sempre... a Luz do Amor.



17 junho 2017

Lost on you

Addicted... acordo com vontade de ouvir e rejubilo cada vez que está a dar na rádio... não é normal.


When you get older, plainer, saner
Will you remember all the danger
We came from?
Burning like embers, falling, tender
Longing for the days of no surrender
Years ago
And will you know

So smoke 'em if you got 'em
Cause it’s going down
All I ever wanted was you
I’ll never get to heaven
Cause I don’t know how

Let’s raise a glass
Or two
To all the things I’ve lost on you
Ho, ooh
Tell me are they lost on you?
Ooh, oh
Just that you could cut me loose
Ho, ooh
After everything I’ve lost on you
Is that lost on you?
Hoooooh
Ooh, oh
Hoooooh
Is that lost on you?
Hoooooh
Ooh, oh
Baby, is that lost on you?
Is that lost on you?

Wishin' I could see the machinations
Understand the toil of expectations
In your mind
Hold me like you never lost your patience
Tell me that you love me more than hate me
All the time
And you’re still mine

So smoke 'em if you got 'em
Cause it’s going down
All I ever wanted was you
Let's take a drink of heaven
This can turn around

Let’s raise a glass
Or two
To all the things I’ve lost on you
Ho, oh
Tell me are they lost on you?
Ooh, oh
Just that you could cut me loose
Ho, oh
After everything I’ve lost on you
Is that lost on you?
Hoooooh
Ooh, oh
Hoooooh
Is that lost on you?
Hoooooh
Ooh, oh
Baby, is that lost on you?
Is that lost on you?

08 outubro 2015

I origins (2014)


Já vos aconteceu certamente ver um filme em que os desempenhos dos actores não foram extraordinários, a realização é normal, a história também... mas por algum motivo, entranha-se em nós. E faz-nos pensar, faz-nos racionalizar... e de repente pensamos nele em várias situações. 

Exactamente como: 

You ever feel like when you met someone, they fill this hole inside of you, and then when they're gone... you feel that space painfully vacant?

O espaço deixado por I Origins não é doloroso, mas é marcante. 

Coloca ênfase na ciência, no quanto a mesma pode contribuir para a compreensão da vida e envolver os cientistas nessa demanda. Cientistas que se tornam a-espirituais e negam a existência de Deus porque nunca foi racionalmente provada. Só que a vida - e a ciência - é feita de inexplicáveis e até o mais racional dos cientistas pode olhar para a vida e ver para além da razão.

You know a scientist once asked the Dalai Lama, "What would you do if something scientific disproved your religious beliefs?" And he said, after much thought, "I would look at all the papers. I'd take a look at all the research and really try to understand things. And in the end, if it was clear that the scientific evidence disproved my spiritual beliefs, I would change my beliefs."



05 junho 2015

My Old Lady (2014)


I was born with a silver knife in my back.
Anytime anyone follows their heart,
someone else gets their heart broken.
There's always detritus, always hurt, always pain.
Love is a limited substance.
When you give love to someone new,

you have to take it away from someone old.


Maggie Smith no caminho de Kevin Kline, acompanhados por Kristin Scott Thomas. Deveria ser suficiente, mas adicionemos o Marais e o Sena. Adicionemos maravilhosas derivações pela cidade de Paris, diálogos de amor e perda, de tolerância e incompreensão.

Nunca a morte foi tão leve.

My Old Lady de Israel Horovitz.

01 junho 2015

Feels like home (Wallflower, 2015)

A Diana está de volta com um álbum de covers (Wallflower). Tudo é maravilhoso para a voz de Diana Krall, mas juntar Bryan Adams é elevar à perfeição a música de Randy Newman.


   


Somethin' in your eyes, makes me wanna lose myself
Makes me wanna lose myself, in your arms
There's somethin' in your voice, makes my heart beat fast
Hope this feeling lasts, the rest of my life

If you knew how lonely my life has been
And how long I've been so alone
And if you knew how I wanted someone to come along
And change my life the way you've done

It feels like home to me, it feels like home to me
It feels like I'm all the way back where I come from
It feels like home to me, it feels like home to me
It feels like I'm all the way back where I belong

A window breaks, down a long, dark street
And a siren wails in the night
But I'm alright, 'cause I have you here with me
And I can almost see, through the dark there is light

Well, if you knew how much this moment means to me
And how long I've waited for your touch
And if you knew how happy you are making me
I never thought that I'd love anyone so much

It feels like home to me, it feels like home to me
It feels like I'm all the way the back where I come from
It feels like home to me, it feels like home to me
It feels like I'm all the way back where I belong
It feels like I'm all the way back where I belong